segunda-feira, 23 de junho de 2014

Como esperamos, um dia, pelo Natal...



Um dia, fomos como essa pequena menina: algo excepcional ameaçava aparecer no horizonte: não apenas um brinquedo (o que já era muito bom), mas um sonho, trazido por um ser sobrenatural, puro e bondoso, vindo de um lugar branco e distante, e ele, vermelho como o Fogo; um  ser que sabia das nossas boas ações e torcia por nós. Não era como um presente qualquer trazido através da porta pelo pai ou pela mãe: era um sonho, era pura magia.

Um dia, levaram nossos sonhos embora; outro dia, os trouxeram de volta (ou fomos buscá-los, com a ajuda de alguém...). Ressurgiu um mundo maravilhoso, de bondade e de beleza, e com seres inspiradores que, embora numa terra distante, estão conosco e torcem por nós. Seres especiais, que fazem despertar encantamento e pureza em nossos corações... que fazem despertar e ter sentido todos os nossos natais passados. 

Tudo isso nos foi dado de volta. E a possibilidade de concretizar e estender este sonho e este mundo... para que nele caibam todos os homens. Percebam, a menina ainda espera... ao lado de uma espiral colorida e luminosa, coroada por uma estrela, ela espera... jamais deixou de acreditar. De dentro de nós, essa chamada, legítima e pura, deve nos motivar sempre a amar e a comprometermo-nos com a Vida e com seus mistérios, tão doces, tão belos, tão boas razões para renascer sempre, vivendo um legítimo e permanente... Natal!


Nenhum comentário:

Postar um comentário