segunda-feira, 23 de junho de 2014

Natal

Esses dias, tive a oportunidade de assistir a um belo filme, já relativamente antigo (2006), que narra um fato histórico real: no Natal de 1914, quase cem anos atrás, no front de batalha da 1ª guerra mundial, três trincheiras de combatentes estavam bem próximas: os alemães, os franceses e seus aliados irlandeses. De repente, na noite do dia 24, um padre que servia na frente irlandesa começa a tocar sua gaita de fole com canções natalinas. Do front alemão, um tenor famoso, que servia como soldado, responde cantando. Em minutos, ambos sobem nas trincheiras e prosseguem com seu estranho dueto.
Subitamente, os três comandantes vão para o centro do campo de batalha e pactuam um cessar fogo por aquela noite... mal haviam concluído o acordo, veem seus homens saindo das trincheiras, trocando garrafas de vinho e pequenos petiscos, desejando-se mutuamente feliz natal, mostrando fotos de suas famílias que ficaram para trás... tudo termina numa bela missa conjunta... e numa punição a todos, vinda de seus respectivos superiores, no dia seguinte.
O filme, que, a propósito, se chama “Feliz Natal”, mais que uma mensagem de uma muito falada e pouco vivida fraternidade, tão propalada nesta época do ano e esquecida no máximo até o reveillon, me trouxe algumas reflexões sobre o ser humano: o drama humano de querer separar aquilo que naturalmente tende a estar unido.  De colocar “trincheiras” dentro do seu coração e só amar o que está dentro delas; de se condenar a uma guerra eterna contra tudo e contra todos que não atendam aos seus interesses, pois, no fundo, todas nossas pequenas e grandes guerras da modernidade são defesas do egoísmo; de atentar contra a própria felicidade, pois, saiba ou não disso, a felicidade do ser humano só pode ser encontrada... entre seres humanos. Pensei em como este conjunto de símbolos, luzes e decorações, que invadem nossas cidades nesta época, trazem à tona, em nós, uma excitação quase infantil, uma lembrança tão pura e cálida, que adorna as nossas vidas, um encontro marcado com um sonho. Com o que sonhamos? O que alimenta nossas esperanças no homem, em nós mesmos, em cada Natal?
Experimente olhar para sua árvore natalina, essa, que deve já estar montada em sua sala, e imaginar que ela representa a vida: uma espiral ascendente rumo a uma Estrela... e que os adornos luminosos que se reúnem em torno dela, mais próximos uns dos outros à medida que sobem, são os homens, somos nós. Essa estrela luminosa ressurge anualmente e renova seu convite de ascensão e de união... quando o aceitaremos?
Talvez apenas neste dia, e não antes, possamos viver de fato um Feliz Natal. Aqueles soldados, no meio da neve, da desolação e da morte, em 1914, foram capazes de perceber esse convite e aceitá-lo... isso é uma esperança.
Neste Natal que se aproxima, como filósofa, desejo que suas estrelas falem, seus pinheiros inspirem, suas esperanças brilhem e seus sonhos humanos mais belos caminhem para a realização. Afinal, como seres humanos que somos, nossos sonhos humanos... são um único sonho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário