segunda-feira, 23 de junho de 2014

Valores servem para curriculum?

A pergunta parece absurda, e a resposta, óbvia: claro que não. O que serve para é a capacitação técnica, devidamente comprovada, em algum ofício, que permite gerar resultados tecnicamente satisfatórios. Quanto mais experiência neste exercício, ainda melhor. E os jovens e adultos saem à procura de títulos que preencham seus curriculum’s segundo aquilo que se espera dele, o que é natural.
Um dia destes, andado pela rua à procura de um profissional específico, fui tomada por um pensamento curioso: quantos profissionais, na minha vida inteira, me marcaram a ponto de criar vínculos, me fidelizar como cliente, suprir realmente minhas necessidades? Fiquei surpresa ao perceber quão poucos: cabiam nos dedos de uma mão, ao longo da minha quase cinquentenária vida, ou seja, um por década. Lembrei rapidamente do médico da família, aquele senhor tão humano e cativante que não sossegava enquanto não nos sentimos melhores, e parece que compartilhava e até antecipava nossas dores e preocupações...quantas especializações possuía? não sei se havia alguma...
E aquela jovem que me atendia na lojinha de roupas, que se dava ao trabalho de ligar lá para casa quando chegava alguma coisa que era “a minha cara”, escondendo a mercadoria dos outros clientes? Quantos anos comprei roupas apenas naquela lojinha, de duas portas, numa quadra pouco movimentada?
E o garçom que sorria à nossa chegada, sabia o que as crianças gostavam de comer, perguntava pelo primeiro dentinho caído... quantos anos comendo no mesmo restaurante! E não havia nenhum “chef” de padrão nacional ou internacional na cozinha...
Não sei...talvez seja só uma fantasia... mas me parece que que o patrão que contrata o técnico experiente de caráter duvidoso em detrimento da pessoa íntegra e entregue ao que faz não é um ser muito dotado de perspicácia. Treinamento técnico, se adquire (ainda mais quando se considera que as pessoas de valores costumam ser bem motivadas ante o novo)...mas onde aprender caráter e humanidade? De que vale o “curriculum de peso” que se entrega à ociosidade ou a práticas desonestas assim que o patrão lhe dá as costas? Não estaremos pagando muito alto por papel descartável, do ponto de vista prático?
Ainda acho que aquele médico, aquela vendedora, aquele garçom, aquele marceneiro e outros do tipo sempre se destacarão e encontrarão seu lugar à luz, ainda mais num mundo em que são cada vez mais raros. Apesar disso, a formação de jovens e adultos que se dirigem ao mercado de trabalho menospreza qualquer coisa que se refira a valores... que pena! Para eles e para todos nós, que perdemos todos, na humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário